De bem com sua memória

Article Index

Na página anterior procurei te convencer de que o cérebro não consegue assoviar e chupar cana ao mesmo tempo, pelo menos quando o assunto é memória. Conseguimos realizar multitarefas em vários outros sistemas cerebrais, mas atenção e memória são vias de mão única que requerem uma informação de cada vez.

Outra dica para “turbinar” a sua memória é saber fazer pausas. E pausa não é algo fácil de fazer, requer uma boa dose de autocontrole e treinamento.

Quando penso em pausa me lembro de gansos e patê de foie gras (sig. fígado gordo), iguaria da culinária francesa que ilustra bem como nosso cérebro processa a informação.

Essas pobres aves são superalimentadas para desenvolverem esteatose, que é a deposição excessiva de gordura no fígado. Para que o produtor consiga o feito, utiliza anéis de metal que são encaixados no bico do animal após a superalimentação, impedindo que regurgite o conteúdo forçosamente ingerido.

Quando nosso cérebro é exposto a um grande volume de informação e sem direito a pausas, ele sucumbe, e o excesso é inevitavelmente desperdiçado. Ao contrário dos gansos, o cérebro não pode ser superalimentado, ainda que seja a vontade do seu proprietário.

Vejo esse excesso de informação em todos os lugares: outdoors (e a gente ainda passa correndo!), comerciais de TV e rádio, anúncios na mídia escrita, palestras e, especialmente, nos bate papos.

É obvio, mas é preciso insistir, tente recordar a seguinte sequência numérica: 3,5,8,23,48 e 65. Repita por favor.

Agora tente recordar essa outra, dando uma pausa de 5 segundos entre um número e outro: 4 6 9 11 25 79. Pronto?

Agora tente repetir.

Tenho certeza que seu desempenho foi melhor com as pausas, tanto mentais quanto visuais que, intencionalmente, usamos aqui.

Então o que fazer?

Se você é quem fornece a informação, forneça-a mastigada, selecione o que você acha relevante para o seu ouvinte ou leitor, ofereça pausas, escute, e na primeira oportunidade repita para ter a certeza de que foi bem entendido.

Se você é quem recebe a informação, selecione o que realmente é importante do que não é, despreze as informações irrelevantes, afinal elas podem ocupar desnecessariamente um lugar precioso em sua memória. Faça pausas e procure dialogar internamente, isso ajuda muito. Ao final de cada sessão pare e repita o que você decidiu guardar, mas um conselho importante, faça isso silenciosamente ou alguém pode achar que você, afinal, enlouqueceu!

Na página seguinte tem mais, repita para lembrar, lembre para repetir.

Back to top